Melhores da semana: conheça o Galaxy Note 20 e muito mais

Novo Galaxy Note 20, dicas para proteger seu smartphone Android contra espionagem e mais! Confira a lista de “melhores da semana” do Showmetech

Do anúncio do novo Galaxy Note 20, da Samsung, a dicas para proteger seu smartphone Android contra espionagem, essa última semana está recheada de novidades e dicas para você. Não deu para acompanhar tudo? A gente entende! 

Pensando nisso, o Showmetech publica as “melhores da semana”, uma lista das matérias mais lidas e os vídeos mais assistidos da semana. Assim fica ainda mais fácil para você ficar por dentro de quais foram os principais destaques.

Confira abaixo quais foram as matérias mais lidas e vídeos mais assistidos dessa última semana no Showmetech.

Showmetech TRIO: TikTok pode ser comprado pela Microsoft

Vamos começar a lista “melhores da semana” falando sobre o Showmetech TRIO, que comentou sobre a possível aquisição do TikTok pela Microsoft. Esse interesse acontece pelas decisões do presidente estadunidense Donald Trump em banir o aplicativo do solo americano. O vídeo também falou sobre o retorno triunfal da cápsula Crew Dragon ao planeta Terra. Depois de passarem dois meses no espaço, os astronautas voltaram para casa num dia histórico para NASA e a SpaceX. 

Por fim, o TRIO comentou sobre uma super descoberta de pesquisadores dos Estados Unidos e do Japão, que não somente encontraram, mas também reviveram microrganismos depositados no fundo do oceano há mais de 100 milhões de anos.

PS Plus de agosto traz Call of Duty: MW2 Remastered e Fall Guys

PS Plus de agosto traz Call of Duty: MW2 Remastered e Fall Guys

Foram revelados os games disponíveis na PS Plus de agosto para os assinantes do exclusivo serviço da Sony. O primeiro game que a Sony está disponibilizando para os assinantes é uma das entradas de maior sucesso da série de games FPS de guerra Call of Duty: Modern Warfare 2 Remastered (MW2, para os íntimos). O segundo game disponível na PS Plus é o divertido multiplayer Fall Guys: Ultimate Knockout, produzido pela Mediatonic e distribuído pela Devolver Digital. Neste mês você pode destruir seus inimigos ou sair no soco com seus amigos. Ou os dois.

Galaxy Note 20 e muito mais! Confira todos os lançamentos da Samsung

Galaxy Note 20

Samsung lança Galaxy Note 20 e outras quatro linhas de aparelhos no Galaxy Unpacked 2020

Um dos grandes destaques da “melhores da semana” tem a ver com a Samsung, que anunciou o Galaxy Note 20 e outras quatro linhas novas de aparelhos no Galaxy Unpacked 2020, evento bi-anual em que a empresa anuncia novidades para as linhas premium. Além do Galaxy Note 20, lançado também na versão Ultra, foram anunciados o smartphone “dobrável” Galaxy Z Fold 2, dois novos tablets (Galaxy Tab S7 e S7+), o relógio inteligente Galaxy Watch 3 e um novo fone de ouvido com cancelamento de ruídos Galaxy Buds Live. Por conta da pandemia do novo coronavírus, a edição deste ano do Unpacked foi realizada de maneira 100% online, transmitido da Coreia do Sul no canal oficial da empresa no YouTube.

RESUMÃO GALAXY UNPACKED: Conheça o Galaxy Note 20 e todos os produtos lançados pela Samsung

Neste vídeo, como o próprio título já entrega, o Showmetech fez um resumão de tudo que rolou no Galaxy Unpacked 2020, evento realizado pela Samsung para divulgar as novidades da linha Galaxy deste ano, incluindo o tão esperado Galaxy Note 20. O vídeo traz tudo o que você precisa saber sobre os lançamentos da Samsung.

Veja como trazer animais 3D para dentro da sua casa com o Google, através da realidade aumentada

Com o Google 3D é possível levar animais para dentro da sua casa

A ferramenta está passando por atualização constante, sendo aprimorada com diversas possibilidades

Para entreter os usuários em tempos de pandemia, o Google resolveu usar realidade aumentada para trazer experiência com animais 3D e até mesmo o corpo humano para a tela do smartphone. Anunciada no Google I/O 2019, evento anual da empresa, essa tecnologia consiste numa experiência visual em que o usuário consegue, dentro da sua casa — ou em qualquer ambiente —, simular a experiência com diversas coisas, usando a câmera do seu celular. O serviço está disponível há alguns meses, mas desde março o Google tem adicionado  funcionalidades.

Espionagem? App para Android identifica se microfone e câmera estão em uso sem permissão

Access Dots avisa se seu celular Android está passando por espionagem

App para Android serve como recurso anti espionagem

Para fechar a “melhores da semana“, vamos falar sobre espionagem. Antes de flagrarem Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, usando uma proteção de câmera na webcam do seu computador, muita gente achava que esse tipo de coisa era excesso de segurança. Depois disso, as pessoas passaram a se atentar mais à questão da espionagem pela câmera e pelo microfone dos eletrônicos. Recentemente, a Apple anunciou um recurso para o próximo iOS 14, que vai permitir que usuários sejam notificados sempre que um aplicativo esteja usando a câmera e o microfone do iPhone, como já acontece com o recurso de localização hoje. 

Entretanto, o Google, proprietário do sistema Android, que removeu no ano passado diversos aplicativos espiões, ainda não anunciou nenhuma medida nesse sentido e muitos especialistas acreditam que a inserção dessa ferramenta é importante para o sistema e para a segurança. Enquanto o Google não cria uma função anti espionagem para o Android, o Access Dots faz isso com bastante eficácia.


Qual foi a matéria dessa “melhores da semana” do Showmetech que você mais curtiu? Conte para nós aqui nos comentários!

Reclamações por problemas com internet fixa crescem 32% em 2020

Com o avanço da pandemia de covid-19 e a necessidade de diminuir aglomerações e o contato próximo com outras pessoas para evitar o contágio com o novo coronavírus, milhões de pessoas pelo Brasil tiveram que se acostumar a estudar, trabalhar e se comunicar com amigos e familiares pela internet. 

O aumento da demanda pelo serviço de internet banda larga fixa provocou também um maior registro de reclamações por problemas de conexão. Segundo a Anatel, Agência Nacional de Telecomunicações, foram registradas 393.893 reclamações só no 1º semestre de 2020. Em comparação com o mesmo período de 2019, houve um aumento de 31,8% no número de clientes que tiveram dificuldades para acessar a rede.

Leia também: Celular é ferramenta de 98% para acessar a internet no Brasil, diz IBGE

A estudante de direito Rhaiany Pereira passou 10 dias sem uma internet estável durante o mês de julho. Nesse período, precisou improvisar para manter os compromissos em dia e ainda seguir as orientações das autoridades de saúde.

“Eu tinha uma prova de inglês em um sábado de manhã e estava sem internet em casa. Então, fui até a casa dos meus avós, que são grupo de risco e estão em isolamento, e fiquei na garagem usado o sinal do roteador deles por umas duas horas”, conta Rhaiany. Outra alternativa encontrada, foi ir até a clínica de estética de uma tia que estava vazia e passar o dia trabalhando por lá. 

A estudante relata que recebeu diversas visita técnicas que realizaram três substituições de modem, consertos na fibra ótica e acertos na estrutura da empresa por sua rua.

“As equipes técnicas não conversam entre si e cada um tem uma especialidade, o que torna o reparo mais demorado. Cada vez que vinham em casa e a internet voltava a cair, me davam um prazo de 48 horas para uma nova visita”, diz Rhaiany.

A demora para resolver a interrupção do serviço também é a reclamação da jornalista Giulia Amendola que ficou 50 horas sem internet e sem nenhuma notificação da operadora sobre o que estava acontecendo em seu bairro.

Leia também: Internet 5G: como será a conexão do futuro?

“Eu me preparava para trabalhar de manhã e as luzes do modem estavam desligadas. Comecei a entrar em desespero porque tinha que dar um treinamento de duas horas pela internet e não podia desmarcar”, lembra Giulia.  A solução encontrada foi usar o celular como um roteador para se concectar a internet 4G e conseguir com a programação do dia.

No período em que ficou sem conexão, Giulia conta que tentou entrar em contato com a operadora, mas parou nos robôs de atendimento e não conseguiu falar com um atendente.

“A gente fica com essa agonia de não saber de fato se a reclamação foi registrada. O atendimento por robô traz uma certa insegurança para quem está precisando resolver a situação”, afirma.

De acordo a resolução 632 da Anatel, que trata do direito do consumidor, os clientes devem ter acesso a uma opção para falar com um atendente logo no primeiro menu eletrônico ao ligar para um call center. 

O advogado Sérgio Peixoto, responsável pela área de telecomunicações do Felsberg advogados, explica que o primeiro passo para resolver um problema com o serviço de internet é entrar em contato com a operadora.

“O cliente deve abrir uma reclamação diretamente com operadora e guardar todos os protocolos que foram passados durante o atendimento. Assim, se o problema persistir e for necessário abrir uma reclamação na Anatel, essas são as provas que podem ser usadas contra a empresa”, explica.

Quando uma reclamação é feita na Anatel, a empresa prestadora do serviço é notificada e obrigadas a dar uma posicionamento sobre a reclamação registrada ou resolver o problema em até 10 dias corridos.

“A última medida é entrar na justiça contra a operadora. Nesse caso, os protocolos de atendimento e a reclamação na agência reguladora servem para provar que o serviço não foi prestado dentro dos parâmetros estabelecidos pela Anatel. A empresa pode ser condenada a pagar o dobro do valor pago pelo cliente com juros de 1% e correção monetária”, orienta o advogado.

Nos casos em que a conexão ficou inativa por mais de um dia, também é possível pedir um desconto na fatura do mês seguinte. Foi o que aconteceu com Rhaiany que pagou um valor mais baixo por conta dos 10 dias em que não conseguiu usar a internet.

Peixoto explica que não é somente a instabilidade do serviço que pode render uma reclamação formal. A Anatel determina que a velocidade de conexão deve ser em média 80% do total contratado pelo cliente.

A resolução 632, de 2011, determina ainda que as operadoras devem oferecer um software para medir a velocidade que está sendo entregue. Caso, um dia a velocidade fique muito abaixo do ideal, a empresa deverá compensar a diferença ao longo do mês com uma conexão melhor.

Para fazer uma reclamação na Anatel, acesse a página da “Anatel Consumidor”, faça o login ou faça o cadastro e tenha em mãos tenha os números de protocolos da operadora

Procurado pelo R7, o SindiTeleBrasil, Sindicato Nacional das Empresas  de Telefonia e de Serviços Móvel Celular e Pessoal, disse que na quarentea houve uma “migração abrupta do tráfego de dados dos escritórios para as casas das pessoas, o que pode ter provocado problemas pontuais, mas sem causar instabilidade às redes, que continuam operando normalmente”.

A representante das operadora afirma também que as empresas “reforçaram o monitoramento constante de sua infraestrutura para manter a qualidade da conectividade oferecida aos clientes e estão mantendo equipes de plantão para atender aos pedidos de reparo de redes e serviços para novas ativações”. 

Segundo o sindicato, as prestadoras também estão participando de reuniões do Grupo de Gestão de Riscos e Acompanhamento do Desempenho das Redes de Telecomunicações (GGRR), da Anatel, para monitoramento permanente das redes e adoção de eventuais medidas que se façam necessárias.

Empresas de telefonia selam acordo de exclusividade para compra da Oi

Em fatos relevantes divulgados nesta sexta-feira (7), Telefônica Brasil, dona da Vivo, TIM e Claro confirmaram acordo de exclusividade com a Oi para negociar a aquisição da Oi Móvel. O acordo é válido até a próxima terça-feira (11).

Procurada, a Oi não se manifestou até a publicação desta reportagem. O acordo de exclusividade firmado dias antes pela Oi com a Highline do Brasil expirou no começo desta semana e não foi renovado, abrindo caminho para que o consórcio das teles assumisse a dianteira das negociações.

Mesmo perdendo essa vantagem, a oferta inicial da Highline teve caráter vinculante e continua valendo. Ou seja, a empresa ainda tem chance de ficar com os ativos da Oi, cuja venda se dará por meio de leilão, de acordo com o novo plano de recuperação judicial proposto pela operadora (que ainda está sujeito à aprovação pelos credores).

Segundo as companhias, o acordo visa garantir segurança e rapidez às negociações, e permitir que elas possam ser qualificadas como “stalking horse” (primeiro proponente) no processo de competição pela Oi Móvel, o que vai permitir a cobertura de outras propostas que eventualmente surgirem.

Corrida virtual promete agitar o Dia dos Pais

A liberação para que as corridas de rua voltem a acontecer está condicionada a vacina contra a Covid-19, segundo o secretario de saúde do Estado de São Paulo. Diante desse quadro, o corredor e jornalista Figueiredo Jr, CEO da Estação i, realiza no próximo domingo, Dia dos Pais, a primeira etapa da segunda fase do “Eu Corro em Casa”.

Será uma corrida diferente, com largada a partir das 07h. E o local? Na sua própria casa, sem preocupação de distância. Você escolhe a duração da sua corrida. O importante é participar. A corrida é válida para pessoas de todas as idades.

Na primeira fase mais de meio milhão de pessoas participaram. Corredores de vários lugares do país aderiram a corrida virtual e praticaram exercícios. O participante recebe um certificado digital ao publicar nos comentários da postagem uma foto após a corrida com a hashtag oficial ##eucorronaminhacasa. A tradicional distribuição de camisetas e medalhas, não acontece, só mesmo o prazer de participar.

Infelizmente as corridas de rua são um dos eventos com maiores aglomerações de pessoas, sendo assim, provas estão sendo adiadas, canceladas e o sentimento de angustia está tem tomado conta de muitos corredores.

“Sou amante de corrida, já participei de mais de 450. Comecei por causa da minha diabetes, o que me ajudou muito, daí se tornou um grande prazer. Ficar em casa sem correr é um grande desafio, tornei minha casa em uma pista e decidi compartilhar com todo mundo. Na primeira fase ao lançar a ideia em nossa página da Estação i, achei que teríamos no máximo 100 inscritos, para minha surpresa foram 200 mil. Nesta fase, já temos mais de 400 mil inscritos em todo país. É a alegria de correr, é uma alternativa nessa época de pandemia, uma forma de se reinventar”, afirma o CEO da Estação i.

A proposta é que sejam realizadas mais duas corridas até o final do ano: a da independência e a do Dia das Crianças. Além de fazermos uma outra, ainda sem data para acontecer, para os ciclistas, que da mesma maneira estão sofrendo com a pandemia.

Inscrições:

A inscrição é gratuita! Para se inscrever:

– Curtir o post oficial da corrida no facebook.com/estacaoi

– Curtir a nossa página

– Curtir a página da Rádio Empreender no facebook da

Por que Her é ainda mais relevante agora do que era em 2013

Her, filme de Spike Jonze lançado em 2013, se tornou ainda mais relevante frente aos desenvolvimentos tecnológicos e novas interações decorrentes da pandemia

Se já éramos muito conectados aos nossos aparelhos eletrônicos em 2013, quando o filme Her (Ela) — dirigido por Spike Jonze (de Quero Ser John Malkovich) — foi lançado, quem dirá em 2020. Na época, as assistentes virtuais estavam começando a se popularizar, com a Siri, da Apple, tendo sido lançada em outubro de 2011.

Mas agora, sete anos depois que vimos Joaquin Phoenix se apaixonar pela voz de Scarlett Johansson em Her, a proposta de uma relação de dependência dos humanos pela tecnologia apresentada pelo filme não está assim tão longe da realidade, principalmente devido aos avanços tecnológicos conquistados e pelo isolamento social em decorrência da pandemia da COVID-19.

Se até fevereiro nossos smartphones, tablets e computadores serviam como ferramentas de trabalho e lazer, atuando como um facilitador de nossa comunicação com amigos e familiares, durante o período de isolamento social eles são a única ponte de contato efetiva (e segura) entre nós e as outras pessoas.

No início do ano, mandávamos mensagens pelo WhatsApp para marcar o bar de sábado, onde conversaríamos presencialmente sobre nosso dia-a-dia, problemas pessoais, contaríamos histórias, entre outros. Agora, precisamos dos aparelhos tecnológicos para suprimir a falta da interação e de contato físico. Desenvolvemos uma nova forma de interação e relacionamento com a tecnologia à nossa disposição que assim como em Her, apesar dos diferentes motivos, tem substituído nossas interações com outras pessoais.

No filme, Phoenix interpreta Theodore Twombly, um homem solitário, introvertido e deprimido, que se recupera da dolorosa separação de sua esposa. No entanto, sua vida muda depois que seu computador recebe um sistema operacional totalmente novo, vinculado a um smartphone com fone de ouvido. O OS, uma inteligência artificial hiper sofisticada que se adapta às necessidades de cada usuário, se apresenta como Samantha, representada pela voz de Scarlett Johansson.

Logo, Samantha começa a ajudar Theodore com tarefas rotineiras, a dar conselhos pessoais e a fazer sugestões íntimas. As conversas entre eles vão se tornando menos corriqueiras e mais sentimentais e logo, um se apaixona profundamente pelo outro, iniciando assim um relacionamento amoroso entre homem e máquina

Em Her, Samantha é uma inteligência artificial que se comunica com o humano Theodore Twombly

Em Her, Joaquin Phoenix e Scarlett Johansson retratam um relacionamento entre humano e inteligência artificial

Esse relacionamento apresentado no filme, no entanto, não é exclusivo de Theodore e Samantha. Outros também suprem suas necessidades emocionais com as respectivas inteligências artificiais — e não é incomum OS se relacionar com mais de uma pessoa. E quando a vontade por contato físico entre os casais surgem, prostitutas são chamadas para intermediar a intimidade sexual entre humano e OS.

Enquanto não chegamos ao ponto de relacionamentos amorosos com assistentes virtuais na vida real, a verdade é que a distopia apresentada no filme de Jonze não pode ser considerada como uma impossibilidade futura.

Nossas relações com a tecnologia se transformam cada vez mais rápido, impulsionadas pelos novos aparelhos e sistemas desenvolvidos a cada ano. É, inclusive, possível dizer que em certos aspectos estamos ainda mais “evoluídos” quanto à distopia em Her, pois enquanto ainda era preciso um humano para atuar como intermediador de relações sexuais entre homens e máquinas, na vida real existem empresas focadas no desenvolvimento de robôs sexuais com inteligência artificial.

Em um cenário de pandemia e isolamento social mundial, assim como de grande desenvolvimento e popularização de dispositivos de inteligência artificial, Her se torna ainda mais atual do que era em 2013 – e provavelmente continuará sendo ainda mais relevante nos próximos anos. O filme, que parecia uma irrealidade distópica quando foi lançado, sem dúvidas entrará na categoria de obras que previram corretamente o futuro.

Apesar de ter deixado o catálogo da Netflix em 2018, o filme ainda pode ser assistido por streaming na Globoplay, ou então por aluguel ou compra no Google Play Filmes, iTunes e Microsoft.

Fontes: Inverse, The Guardian, The Sun, Just Watch

Empresa dos EUA cria máquina de transmissão de hologramas

Procurando uma nova maneira de se comunicar durante a pandemia? Uma empresa de Los Angeles criou máquinas do tamanho de cabines telefônicas para transmitir hologramas ao vivo para a sua sala de estar.

O dispositivo fabricado pela PORTL permite que os usuários conversem com um holograma em tamanho real de outra pessoa.

As máquinas também podem ser equipadas com tecnologia para permitir a interação com hologramas gravados de figuras históricas ou parentes que faleceram.

Cada dispositivo PORTL tem 2,1 metros de altura, 1,5 metro de largura e qualquer pessoa com uma câmera e um fundo branco pode enviar um holograma para a máquina, no que o presidente-executivo David Nussbaum chama de “holoportação”.

“Dizemos que, se você não pode estar lá, pode se transmitir para lá”, disse Nussbaum, que anteriormente trabalhava em uma empresa que desenvolveu os hologramas de Ronald Reagan para a biblioteca do ex-presidente e do rapper Tupac Shakur.

“Somos capazes de conectar famílias de militares que não se veem há meses, pessoas de costas opostas (dos EUA)” ou qualquer pessoa em isolamento social, acrescentou Nussbaum.

A máquina custa a partir de 60 mil dólares, um custo que Nussbaum espera que caia nos próximos três a cinco anos. A empresa também planeja um dispositivo menor com um preço mais baixo que deve ser lançado no início do próximo ano.

Os dispositivos podem ser equipados com tecnologia de inteligência artificial da empresa StoryFile, com sede em Los Angeles, para produzir gravações de hologramas que podem ser arquivadas. Acrescentar isso ao dispositivo atual eleva o preço a pelo menos 85 mil dólares.

As empresas estão promovendo a máquina para museus, que podem permitir que os frequentadores conversem com hologramas de uma figura histórica, e que famílias guardem mensagens para gerações futuras.

“(Você) sente a presença deles, vê a linguagem corporal, vê todos os sinais não verbais”, disse a presidente-executiva da StoryFile Heather Smith.

“Você sente que realmente conversou com esse indivíduo, mesmo que ele não esteja lá”.

covid-19: Facebook encara dilema para moderar posts sobre vacina

  Desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o novo coronavírus uma emergência internacional de saúde em janeiro, o Facebook removeu mais de 7 milhões de publicações com falsas alegações sobre o vírus que poderiam representar um risco imediato à saúde das pessoas que acreditam nelas.

Mas na maioria dos casos o Facebook não remove informações falsas sobre as vacinas de covid-19 que ainda estão em desenvolvimento, de acordo com o chefe de política de vacinas da empresa, Jason Hirsch, com o argumento de que tais alegações não atendem ao seu limite iminente de danos.

Hirsch disse à Reuters que a empresa está “enfrentando” o dilema de como policiar as reivindicações sobre novas vacinas ainda não comprovadas.

“Há um limite para o que podemos fazer até que os fatos se tornem mais concretos”, disse Hirsch em entrevista à Reuters, falando publicamente pela primeira vez sobre o tema.

Traçar a linha entre verdadeiro e falso também é mais complexo para as vacinas do vírus do que com o conteúdo sobre vacinas com um histórico de segurança já estabelecido, disseram verificadores de fatos à Reuters.

Embora não se espere que as primeiras vacinas entrem no mercado por meses, as pesquisas mostram que muitos norte-americanos já estão preocupados em tomar uma nova vacina, que está sendo desenvolvida em um ritmo recorde.

Cerca de 28% dos norte-americanos dizem que não estão interessados ​​em receber a vacina, de acordo com uma pesquisa da Reuters/Ipsos realizada entre 15 e 21 de julho. Entre eles, mais de 50% disseram estar nervosos com a velocidade do desenvolvimento. Mais de um terço disse que não confiava nas pessoas por trás do desenvolvimento da vacina.

Um grupo público do Facebook chamado “REFUSE CORONA V@X AND SCREW BILL GATES”, referente ao bilionário cuja fundação está ajudando a financiar o desenvolvimento de vacinas, foi iniciado em abril por Michael Schneider, um homem de 42 anos de Waukesha, Wisconsin. O grupo foi um dos mais de uma dúzia criados nos últimos meses dedicados a fazer oposição à vacina, segundo a Reuters.

As publicações sobre a vacina de covid-19 que foram rotuladas no Facebook como contendo “informações falsas”, mas não removidas, incluem uma de Schneider, vinculada a um vídeo do YouTube que alegava que a vacina alteraria o DNA das pessoas, além de outra que alegava que a vacina infectaria pessoas com coronavírus.

O Facebook disse que essas publicações não violam suas políticas relacionadas a danos iminentes. “Se simplesmente removêssemos todas as teorias da conspiração, elas existiriam em outros lugares da internet e em um ecossistema de mídia social mais amplo. Isso ajuda a dar mais contexto quando essas informações falsas aparecem em outros lugares”, disse uma porta-voz.

O Facebook não rotula ou remove publicações ou anúncios que expressam oposição a vacinas caso elas não tenham alegações falsas. Hirsch disse que o Facebook acredita que os usuários devem expressar opiniões pessoais e que uma censura mais agressiva às opiniões contra a vacina também pode levar as pessoas hesitantes em relação ao tópico para o movimento antivacina.

Reels: aprenda a usar o novo recurso do Instagram em 9 passos

Aprenda a usar o Reels, nova funcionalidade do Instagram que compete diretamente com o TikTok

Após ser testado no Brasil por um tempo, o Instagram lançou a versão final do Reels em 50 países. A funcionalidade permite a criação de vídeos curtos (até 15 segundos) e criativos por meio de edições que incluem efeitos visuais e sonoros, cortes e músicas, entre outras. O lançamento oficial ocorre justamente num momento em que seu principal concorrente, o TikTok, aplicativo da chinesa ByteDance, sofre ameaça de proibição nos EUA.

Para criar os seus vídeos com o novo recurso do Instagram, basta usar a sua criatividade. São várias as possibilidades: criar dublagens, recortar e juntar trechos de uma mesma gravação, fazer sequências com desafios, como trocar de roupa e posição com uma pessoa ao seu lado, e muito mais.

Após finalizar a gravação e edição do vídeo, você pode escolher publicá-lo em seu Stories e na aba Explorar do Instagram. O conteúdo também poderá ficar disponível em seu perfil, entre seu feed e suas lives ou as fotos em que você está marcado, caso não tenha nenhuma live publicada. Confira abaixo como utilizar o recurso.

Criando vídeos com o Reels do Instagram

1: Abra o aplicativo do Instagram e selecione a câmera para o Stories no topo superior esquerdo. Em seguida, selecione a opção Reels.

O Reels oferece um menu vertical para a criação dos vídeos

O Reels oferece um menu vertical para a criação dos vídeos

2: O menu vertical do Reels oferece quatro opções: Audio, Speed, Effects e Timer. Antes de iniciar a gravação do seu vídeo, selecione o primeiro ícone, Audio, para acessar a biblioteca de músicas do Instagram. Assim como no Stories, depois de escolher a faixa para o seu vídeo você poderá definir qual trecho utilizará. A funcionalidade, além de permitir uma trilha sonora ao seu vídeo, também pode ser utilizada para dublagens.

3: Após selecionar a sua música, você retornará ao menu inicial do Reels. Clicando no segundo ícone, Speed (velocidade), você poderá aumentar ou reduzir a velocidade, deixando o vídeo e a música de fundo acelerados ou em câmera lenta.

Em Speed, controle a velocidade do seu vídeo

Em Speed, controle a velocidade do seu vídeo

4: Agora que você já escolheu sua música e a velocidade do seu vídeo, é hora de escolher os efeitos. Essa etapa funciona igual ao Stories: ao selecionar o terceiro ícone, Effects, aparecerá um menu inferior com diversos filtros diferentes para você testar

Escolha o efeito para personalizar o seu vídeo

Escolha o efeito para personalizar o seu vídeo

5: O quarto ícone, Timer, permite definir o tempo de gravação para o seu vídeo. Você pode fazer diversos cortes, desde que o total não passe de 15 segundos.

6: Para gravar, basta apertar o botão central. Após cada gravação, o Reels disponibilizará uma prévia para edição no menu inferior esquerdo, oferecendo as possibilidades de recortar ou apagar o trecho.

7: Depois que gravar o primeiro fragmento do seu Reels, você perceberá que o Instagram adiciona um novo ícone ao menu vertical. Chamada Align, essa funcionalidade permite alinhar o final de uma gravação com o início da próxima, mantendo uma continuidade entre os trechos,

8: Após gravar e editar todos os trechos do seu vídeo, é a hora de seguir para a publicação. O Instagram oferece a possibilidade de adicionar gifs, desenhar e baixar o vídeo antes de compartilhar no Stories ou no feed.

Antes de publicar, você pode adicionar gifs, desenhar ou baixar seu vídeo

Antes de publicar, você pode adicionar gifs, desenhar ou baixar seu vídeo

9: Na hora de publicar o vídeo, o Instagram oferece duas possibilidades: compartilhar na aba Explorar (e adicionar ao seu feed, caso queira) e/ou em seu Stories

Pronto! Agora você pode criar vídeos com infinitas possibilidades no Instagram Reels. Escreva pra gente o que achar da funcionalidade nos comentários.

Fontes: Life Hacker

Intel anuncia o T700, primeiro modem 5G de sua parceria com a MediaTek

T700 já foi passou por testes de campo e os primeiros notebooks com o chip deverão ser lançados no início de 2021

Mais de um ano depois de ter aparentemente abandonado o mercado de desenvolvimento de chips 5G, a Intel revelou na última quinta (6) o T700 5G, modem 5G desenvolvido em uma parceria entre a empresa e a MediaTek.

Baseado no Helio M70, modem lançado pela MediaTek em maio do ano passado e que foi desenvolvido para ser usado em smartphones do tipo intermediário, o T700 funciona com a tecnologia sub-6 (um tipo de sinal 5G abaixo dos 6 GHz de frequência, que oferece velocidades um pouco menores mas com uma qualidade de conexão bem mais estável), dando suporte total a esta tecnologia tanto nas redes que se utilizam de parte da estrutura LTE (4G) para funcionar quanto naquelas que possuem toda uma infraestrutura própria.

O anúncio oficial ainda revela que o papel da Intel na parceria foi o de garantir a integração entre sistemas (o chip e os computadores e notebooks da Intel), desenvolver plataformas de otimização e validação e dar toda a assistência necessária para as fabricantes que usarão o T700 em suas máquinas. Isso quer dizer que todo o processo de arquitetura e fabricação do modem em si ficou a cargo da MediaTek.

Segundo Joe Chen, presidente da MediaTek, a parceria com a Intel foi algo que surgiu naturalmente com o crescimento da divisão de 5G da empresa, e foi uma oportunidade única para que a companhia conseguisse expandir para além do mercado de smartphones e entrar também no de computadores.

A revelação do chip T700 ocorre cerca de um ano depois da Intel ter vendido toda a divisão de modems da empresa para a Apple, após ter passado por muitos problemas no desenvolvimento de seus primeiros modems 5G. 

Quando os primeiros computadores com o T700 5G deverão ser lançados?

t700 5G intel mediatek

Presidente da MediaTek mostrando o circuito original do T700 5G (Imagem: Mediatek)

No anúncio oficial do novo componente, a Intel e a MediaTek revelaram que o T700 já passou por testes em campo que atestaram a capacidade do componente de efetuar chamadas e se conectar à internet usando redes 5G, então há uma grande chance de que os primeiros aparelhos utilizando o chip não demorem tanto para serem lançados no mercado.

Em entrevista para o site Android Authority o vice-presidente da divisão de plataformas móveis da Intel, Chris Walker, revelou que a companhia deverá começar a enviar os primeiros kits de desenvolvimento que utilizam o T700 para seus clientes até o fim deste trimestre (ou seja, até o final de setembro), e ele espera que os primeiros notebooks com o componente sejam lançados no começo de 2021.

Apesar de a Intel e a MediaTek estarem trabalhando para que os primeiros notebooks com o T700 cheguem relativamente rápido no mercado, as empresas correm contra o tempo pois estão “atrasadas” na corrida pela computação com suporte a 5G. Isto porque empresas como a Dell e a Lenovo, que utilizam os modens da Qualcomm, já estão lançando este ano seus primeiros notebooks com suporte a redes 5G.

Fonte: Android Authority

Twitter anuncia selos para contas de pessoas e mídias ligadas a governos

O Twitter anunciou que começará a por uma etiqueta em contas de pessoas e mídias ligadas a governos estatais como forma de dar mais transparência aos debates e à disseminação de informações na plataforma.

Para a rede social, as pessoas “têm o direito” de saber quando uma conta tem algum tipo de ligação com governos estatais.

A princípio, a regra começará a valer nos cinco países-membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas: China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia, mas deve ser ampliada gradativamente às demais nações.

Conforme nota publicada na quinta-feira (06), a medida não será aplicada a chefes de Estado porque eles têm amplo reconhecimento tanto da mídia como internacional pelo cargo que ocupam.

Os selos irão para contas de funcionários do governo, ministros das Relações Exteriores, porta-vozes oficiais, embaixadores e diplomatas, entidades institucionais do país e entidades e líderes que sejam a voz dos cinco países no exterior.

Já no caso das mídias que serão citadas como afiliadas a um Estado estão aquelas em que o governo exerça um controle editorial, que dependem de fundos estatais ou que estão sob pressão política. Nesse ponto, tanto as agências, sites ou jornais terão selos como seus editores-chefes e/ou funcionários com cargo sênior.

Além das notificações, o Twitter informou que não irá mais indicar essas contas como “recomendadas” em seus sistemas de notificações aos usuários e não ampliarão o alcance das postagens desses perfis.