Capitais brasileiras têm melhora na qualidade do ar durante quarentena

Assim como outros países ao redor do mundo, o Brasil também sente os impactos das paralisações decorrentes do novo coronavírus. Alguns deles, entretanto, não são negativos. Com o fechamento de serviços, cancelamento de voos e menor movimento de carros nas ruas, capitais brasileiras tiveram diminuição da poluição atmosférica e melhora na qualidade do ar na última semana.

O que se viu recentemente na Itália e China, com quedas notáveis na emissão de poluentes por conta da quarentena, agora ocorre em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Belo Horizonte.

Por meio de análise em plataformas de monitoramento e secretarias de meio ambiente locais, a reportagem do R7 coletou dados que comprovam a melhora na qualidade do ar das quatro capitais. Confira:

São Paulo

Em São Paulo, a partir da plataforma de monitoramento de qualidade do ar da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), a reportagem avaliou a emissão de três poluentes (monóxido de carbono, dióxido de nitrogênio e material particulado) no período de uma semana, entre 19 e 25 de março.

Das nove estações de monitoramento para monóxido de carbono (CO) disponíveis na capital paulista, apenas Santo Amaro não apresentou redução no valor diário de emissões do poluente, com valor de 0,3 ppm (parte por milhão), nos dias 19 e 25.

Da data inicial à final no período de análise, houve redução significativa nas outras oito estações: Parque D. Pedro ll (de 0,6 ppm a 0,1), Congonhas (de 0,8 ppm a 0,4), Ibirapuera (de 0,7 ppm a 0,4), Mooca (de 0,9 ppm a 0,3), Cerqueira César (de 0,8 ppm a 0,2), Grajaú-Parelheiros (de 1,0 ppm a 0,2), Pinheiros (de 1,0 ppm a 0,3) e Marginal Tietê-Ponte dos Remédios (de 1,4 ppm a 0,4).

Das cinco estações disponíveis para avaliação das emissões de dióxido de nitrogênio (NO2), entre 19 e 25 de março, todas mostraram redução: Parque D. Pedro ll (de 56 µg/m3 a 23), Congonhas (de 88 56 µg/m3 a 55), Cerqueira César (de 66 56 µg/m3 a 24), Pinheiros (de 60 56 µg/m3 a 23) e Marginal Tietê-Ponte dos Remédios (de 94 56 µg/m3 a 52).

Houve quedas visíveis também nas emissões de material particulado (MP10) nas oito estações avaliadas: Parque D. Pedro ll (de 26 µg/m3 a 16), Cerqueira César (de 34 µg/m3 a 13), Nossa Senhora do Ó (de 37 µg/m3 a 16), Grajaú-Parelheiros (41 µg/m3 a 16), Interlagos (de µg/m3 29 a 14), Itaim Paulista (de 20 µg/m3 a 17), Capão Redondo (de 21 µg/m3 a 13), Marginal Tietê-Ponte dos Remédios (de 42 µg/m3 a 20).

O Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) informou que houve redução de concentrações de CO (monóxido de carbono) e NO2 (dióxido de nitrogênio) em várias estações por todo o Estado, especialmente na região metropolitana de São Paulo.

Rio de Janeiro

Para o Rio de Janeiro, foram analisadas oito estações de monitoramento da qualidade do ar. Utilizando de cinco diferentes poluentes (monóxido de carbono, dióxido de nitrogênio, material particulado, dióxido de enxofre e ozônio) como parâmetro, o MonitorAR Rio calcula o índice de qualidade do ar em cinco níveis, indo de bom (menores valores, com pontuação de 0 a 50) a péssimo (valores mais altos, acima de 300).

Em 19 de março (quinta-feira), as estações Centro (73), Copacabana (54), Tijuca (52), São Cristovão (52) e Bangu (53) apresentavam qualidade regular, e somente Irajá (34), Campo Grande (36) e Pedra de Guaratiba (39) tinha nível bom. Em 20 de março, o quadro já mostrava melhora: de sete estações disponíveis, quatro apresentavam nível bom e três, regular.

De sábado (21) diante, a melhora foi significativa: com quedas nos valores, todas as estações avaliadas apresentaram nos cinco dias boa qualidade do ar. No dia 25, último da análise, os índices foram visivelmente melhores que na semana anterior: Centro (10), Copacabana (44), São Cristóvão (18), Tijuca (12), Irajá (29), Campo Grande (26) e Pedra de Guaratiba (27). Bangu não teve análise disponível na data.

Curitiba

A Sema (Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Curitiba) enviou à reportagem os valores de concentração de dióxido de nitrogênio (NO2) entre 19 e 25 de março. Na capital paranaense também houve redução significativa: na primeira data, o valor era de 15 µg/m3, enquanto no dia 25 era de aproximadamente 7,5 µg/m3.

A pasta, que não monitora emissões de monóxido e dióxido de carbono, afirmou que com a escassez de chuvas e baixa umidade do ar, a tendência seria o aumento da concentração de NO2. Como houve queda, prosseguiu a secretaria, se pôde “concluir que isso se dá em razão do isolamento social, já que há menos veículos circulando nas ruas”.

Belo Horizonte

Na cidade de Belo Horizonte também se notou queda de emissões de poluentes. Em análise enviada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais ao R7, que considerou dois períodos para a pesquisa: o primeiro entre 1º e 19 de março, e o segundo entre 20 (primeiro dia de decreto de isolamento) e 24 de março. O estudo foi feito em duas estações de monitoramento, no bairro São Gabriel e na região central da capital mineira.

A análise na estação PUC São Gabriel considerou os poluentes dióxido de nitrogênio (NO2) e partículas respiráveis (PM2,5). Em relação às partículas respiráveis, considerando o primeiro horário de pico com veículos nas ruas (7h), a concentração média foi de 9,58 µg/m3 durante o primeiro período (1º a 19/3) e reduziu para 5,00 µg/m (20 a 24/3). Para o dióxido de nitrogênio, também houve redução: no primeiro período, a concentração variou entre 8,5 µg/m3 a 26,99 µg/m3; no segundo, variou entre e 9,56 µg/m3 a 16,19 µg/m3.

Na estação Centro, a análise foi feita a partir dos poluentes dióxido de nitrogênio (NO2) e dióxido de enxofre (SO2). No caso do dióxido de enxofre, se viu a redução das concentrações médias horárias em diferentes períodos. Isto ocorreu, segundo a pasta, porque durante o segundo período analisado (20 a 24/3) os dados de monitoramento registraram concentrações horárias de SO2 com valores iguais a zero. Sobre o dióxido de nitrogênio, se observou que a concentração máxima horária para às 19h (segundo horário de pico) foi de 23,26 µg/m3 durante o primeiro período (1º a 20/3) e caiu para 15,2 µg/m3 no segundo período (20 a 24/3).

Chinês cria ‘cápsula de segurança’ contra coronavírus para bebês

‘):””},t.getDefinedParams=function(n,e){return e.filter(function(e){return n[e]}).reduce(function(e,t){return l(e,function(e,t,n){t in e?Object.defineProperty(e,t,{value:n,enumerable:!0,configurable:!0,writable:!0}):e[t]=n;return e}({},t,n[t]))},{})},t.isValidMediaTypes=function(e){var t=[“banner”,”native”,”video”];if(!Object.keys(e).every(function(e){return s()(t,e)}))return!1;if(e.video&&e.video.context)return s()([“instream”,”outstream”,”adpod”],e.video.context);return!0},t.getBidderRequest=function(e,t,n){return c()(e,function(e){return 0t[n]?-1:0}};var r=n(3),i=n(91),o=n.n(i),a=n(11),c=n.n(a),u=n(8),s=n.n(u),d=n(10);function f(e){return function(e){if(Array.isArray(e)){for(var t=0,n=new Array(e.length);t

“)}(r.script,r.impression_id);var o=p(m[r.size_id].split(“x”).map(function(e){return Number(e)}),2);n.width=o[0],n.height=o[1]}n.rubiconTargeting=(Array.isArray(r.targeting)?r.targeting:[]).reduce(function(e,r){return e[r.key]=r.values[0],e},{rpfl_elemid:i.adUnitCode}),e.push(n)}else c.logError(“Rubicon bid adapter Error: bidRequest undefined at index position:”.concat(t),s,a);return e},[]).sort(function(e,r){return(r.cpm||0)-(e.cpm||0)})},getUserSyncs:function(e,r,t){if(!j&&e.iframeEnabled){var i=””;return t&&”string”==typeof t.consentString&&(“boolean”==typeof t.gdprApplies?i+=”?gdpr=”.concat(Number(t.gdprApplies),”&gdpr_consent=”).concat(t.consentString):i+=”?gdpr_consent=”.concat(t.consentString)),j=!0,{type:”iframe”,url:o+i}}},transformBidParams:function(e,r){return c.convertTypes({accountId:”number”,siteId:”number”,zoneId:”number”},e)}};function g(e,r){var t=d.config.getConfig(“pageUrl”);return e.params.referrer?t=e.params.referrer:t||(t=r.refererInfo.referer),e.params.secure?t.replace(/^http:/i,”https:”):t}function y(e,r){var t=e.params;if(“video”===r){var i=[];return t.video&&t.video.playerWidth&&t.video.playerHeight?i=[t.video.playerWidth,t.video.playerHeight]:Array.isArray(c.deepAccess(e,”mediaTypes.video.playerSize”))&&1===e.mediaTypes.video.playerSize.length?i=e.mediaTypes.video.playerSize[0]:Array.isArray(e.sizes)&&0



Cao Junjie, pai de um bebê de dois meses, projetou uma cabine vedada para proteger seu filho do coronavírus. Com a cápsula de segurança, Cao disse que pode garantir que seu bebê estará seguro contra o coronavírus durante seus passeios.

{{= title }}

    {{ if (agency) { }}

  • {{ if (agency_image) { }} {{= agency }} {{ } }} {{ if (agency_url) { }} {{= agency }} {{ } else { }} {{= agency }} {{ } }}
  • {{ } }} {{ if (author && !agency) { }}

  • {{= author }}
  • {{ } }}

{{= content }}

{{ if (type !== ‘video’) { }} {{ } }}



Covid-19: uso maior da internet requer mais cuidado com segurança

A revisora de textos e servidora pública aposentada brasiliense Cely Curado teve uma mudança grande de rotina nas últimas semanas. Em isolamento social por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19), ela conta que o tempo na internet triplicou: passou a ver mais filmes e ouvir mais música e começou a fazer cursos online por meio de plataformas criadas para este fim.

Esta é, hoje, a realidade de muitas pessoas. O recurso da internet vem crescendo para finalidades como o teletrabalho, a comunicação com parentes, amigos e colegas, a busca por informações e momentos de lazer no consumo de músicas e vídeos. Com isso, é preciso aumentar também os cuidados para evitar acessos indevidos, entrada de vírus ou golpes aplicados pela Web.

Empresa pode demitir funcionário durante a pandemia de coronavírus?

A empresa especializada em segurança da informação Kaspersky identificou na América Latina mais de 300 domínios maliciosos usados para envio de mensagens falsas e 35 para difundir malwares entre fevereiro e 15 de março.

Um exemplo foi uma mensagem com uma conta de álcool gel de mais de R$ 3 mil. Quem clicava tinha um cavalo de troia instalado, que permitia o acesso à máquina do usuário pelos autores do golpe. Isso permitia, por exemplo, a realização de pagamentos e outras movimentações bancárias.

Outro caso foi uma campanha falsa distribuída no WhatsApp que simulava um anúncio da plataforma de vídeo Netflix que oferecia acesso gratuito durante a pandemia do novo coronavírus. Quem clicava era direcionado a um site. O objetivo dos autores era obter cliques para ganhar dinheiro com os anúncios na página de destino.

Cuidados

O Comitê Gestor da Internet lançou um guia com dicas para manter um uso seguro da internet. Mensagens diversas, incluindo boatos com curas milagrosas ou novidades, podem ser uma armadilha para implantar um vírus ou um código malicioso no computador ou smartphone do usuário (acesse aqui – https://internetsegura.br/coronavirus/).

Os códigos maliciosos podem ser vírus (que entram no computador como parte de um programa ou copiando-se para dentro do dispositivo), cavalo de troia (programa que executa ações sem o usuário saber), “ransomware” (mecanismo que veta usar determinados dados do equipamento, cujo acesso em geral é condicionado a um “resgate”) e “backdoor” (programa que permite o acesso remoto ao equipamento do usuário) (veja a cartilha do CGI sobre o tema – https://cartilha.cert.br/fasciculos/codigos-maliciosos/fasciculo-codigos-maliciosos.pdf).

Outro perigo são mensagens pedindo informações sobre o usuário, como dados pessoais, financeiros e bancários. Também é o caso de aplicativos e sites que prometem fazer testes online visando atestar se a pessoa está ou não infectada. No caso dos apps, a recomendação do CGI é baixar sempre de lojas conhecidas, como as do sistema operacional do smartphone. “Ao instalar aplicativos, evite fornecer dados e permissões quando não forem realmente necessários”, acrescenta o documento do CGI.

Uma sugestão é evitar sites que não tenham o endereço com “https”. Este é o indicador de um protocolo mais seguro das páginas na web. Já no caso do acesso remoto ao sistema da empresa em caso de teletrabalho, o melhor é recorrer a redes privadas virtuais, ou VPNs, no jargão técnico.  

Uma forma muito usada para violar a segurança de aparelhos é obter ou ultrapassar os sistemas de login. Por isso, o CGI recomenda a utilização do procedimento chamado “verificação em duas etapas”, que deixa mais complexo o acesso ao aparelho, evitando invasões. Uma cartilha específica foi publicada sobre o tema (acesse aqui – https://cartilha.cert.br/fasciculos/verificacao-duas-etapas/fasciculo-verificacao-duas-etapas.pdf).

Outra orientação é que o usuário busque sempre manter a cópia de reserva (back up) do aparelho em dia, pois uma invasão ou vírus pode danificar não somente o equipamento como os dados armazenados dentro dele. Além disso, a recomendação primária é manter os programas antivírus atualizados e realizar scanners nos computadores para verificar se foram infectados.  

Existem ainda outras formas de golpes virtuais. Um exemplo são conteúdos solicitando doações para vítimas da doença. O governo federal já esclareceu que não realiza tal procedimento. As pessoas devem se certificar se a fonte do pedido tem credibilidade e promove esse tipo de ação assistencial.

“Infelizmente, existem pessoas mal-intencionadas que se aproveitam justamente do momento de incerteza pelo qual estamos passando para aplicar golpes e divulgar informações falsas, alerta Miriam von Zuben, analista de segurança do CERT.br (Centro de Estudo, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil).

Por isso, afirma Miriam, é importante que os usuários redobrem a atenção em relação às mensagens recebidas, como aquelas que oferecem aplicativos com informações sobre a doença, páginas que oferecem teste de infecção ou, ainda, aquelas que oferecem produtos que estão com procura alta no momento, como álcool gel.

Veja 7 dicas de como conversar por vídeo durante a quarentena

‘):””},t.getDefinedParams=function(n,e){return e.filter(function(e){return n[e]}).reduce(function(e,t){return l(e,function(e,t,n){t in e?Object.defineProperty(e,t,{value:n,enumerable:!0,configurable:!0,writable:!0}):e[t]=n;return e}({},t,n[t]))},{})},t.isValidMediaTypes=function(e){var t=[“banner”,”native”,”video”];if(!Object.keys(e).every(function(e){return s()(t,e)}))return!1;if(e.video&&e.video.context)return s()([“instream”,”outstream”,”adpod”],e.video.context);return!0},t.getBidderRequest=function(e,t,n){return c()(e,function(e){return 0t[n]?-1:0}};var r=n(3),i=n(91),o=n.n(i),a=n(11),c=n.n(a),u=n(8),s=n.n(u),d=n(10);function f(e){return function(e){if(Array.isArray(e)){for(var t=0,n=new Array(e.length);t

“)}(r.script,r.impression_id);var o=p(m[r.size_id].split(“x”).map(function(e){return Number(e)}),2);n.width=o[0],n.height=o[1]}n.rubiconTargeting=(Array.isArray(r.targeting)?r.targeting:[]).reduce(function(e,r){return e[r.key]=r.values[0],e},{rpfl_elemid:i.adUnitCode}),e.push(n)}else c.logError(“Rubicon bid adapter Error: bidRequest undefined at index position:”.concat(t),s,a);return e},[]).sort(function(e,r){return(r.cpm||0)-(e.cpm||0)})},getUserSyncs:function(e,r,t){if(!j&&e.iframeEnabled){var i=””;return t&&”string”==typeof t.consentString&&(“boolean”==typeof t.gdprApplies?i+=”?gdpr=”.concat(Number(t.gdprApplies),”&gdpr_consent=”).concat(t.consentString):i+=”?gdpr_consent=”.concat(t.consentString)),j=!0,{type:”iframe”,url:o+i}}},transformBidParams:function(e,r){return c.convertTypes({accountId:”number”,siteId:”number”,zoneId:”number”},e)}};function g(e,r){var t=d.config.getConfig(“pageUrl”);return e.params.referrer?t=e.params.referrer:t||(t=r.refererInfo.referer),e.params.secure?t.replace(/^http:/i,”https:”):t}function y(e,r){var t=e.params;if(“video”===r){var i=[];return t.video&&t.video.playerWidth&&t.video.playerHeight?i=[t.video.playerWidth,t.video.playerHeight]:Array.isArray(c.deepAccess(e,”mediaTypes.video.playerSize”))&&1===e.mediaTypes.video.playerSize.length?i=e.mediaTypes.video.playerSize[0]:Array.isArray(e.sizes)&&0






{{= title }}

    {{ if (agency) { }}

  • {{ if (agency_image) { }} {{= agency }} {{ } }} {{ if (agency_url) { }} {{= agency }} {{ } else { }} {{= agency }} {{ } }}
  • {{ } }} {{ if (author && !agency) { }}

  • {{= author }}
  • {{ } }}

{{= content }}

{{ if (type !== ‘video’) { }} {{ } }}



Como escolher seu novo smartphone

Pensando em comprar um smartphone?

Existem muitas variáveis quando pensamos em comprar um smartphone, não é mesmo? Durabilidade das recargas da bateria, tamanho da memória de armazenamento, qualidade da câmera fotográfica e desempenho do sistema operacional são só algumas delas. Tudo isso pode nos deixar perdidos sobre qual a melhor opção, levando em consideração o custo e benefícios.

De fato, são muitos detalhes que não podem passar despercebidos na hora de desembolsar seu dinheiro na compra de um aparelho celular. Mas não se preocupe! É para esclarecer essas dúvidas que iremos nos aprofundar um pouco mais no universo desses aparelhos.

Fique ligado nas dicas e informações desse artigo, que irão te auxiliar na compra do seu novo smartphone. Para deixar tudo ainda melhor, aproveite o cupom de desconto Amazon e economize.

Uma pergunta importante para encontrar o smartphone ideal

O mais importante na hora de comprar um celular novo é ter em mente qual será a sua serventia para o seu dia dia. Por exemplo, você vai precisar dele para chamadas de vídeo no trabalho? Para fazer belos cliques para o Instagram? Ou servirá apenas para escutar suas músicas e seus podcasts favoritos enquanto estiver no trânsito?

Responder essa pergunta inicial é muito importante, porque a partir da resposta, você poderá saber qual será a finalidade de uso daquele smartphone na sua rotina. Além disso, você terá um importante indicador para nortear a sua pesquisa em busca do aparelho ideal.

Existem centenas de opções no mercado, e cada uma delas está voltada para uma necessidade específica do consumidor. Comparar smartphone não é tarefa fácil. Ficar atento ao que cada um oferece como real vantagem competitiva é um outro fator determinante para saber que a escolha feita é a escolha certa. Afinal, o que é mais importante para você se tratando de smartphone?

O universo a ser explorado é maior do que você imagina

Sempre quando pensamos em comprar um smartphone, automaticamente, duas marcas veem na nossa cabeça: Apple e Samsung. Não é à toa que as duas são consideradas as principais do mercado. Ambas são, realmente, ótimas e cada uma delas possui vantagens e desvantagens.

É notório, por exemplo, que nos últimos anos os lançamentos de ambas as marcas têm acontecido de maneira a sobrepor uma o produto da outra na questão qualidade da câmera. Nesse sentido, as duas possuem modelos muito parecidos que vão se diferenciar, basicamente, no custo e benefício. E, nesse quesito, sabemos quem leva a melhor.

O que a maioria desconhece, no entanto, é que o universo de opções não se resume às duas. Pelo contrário, vai muito além. São dezenas de marcas com produtos de qualidade sendo lançados todos os anos, mas que precisam de um voto de confiança do consumidor que, muitas vezes, está com a cabeça restringida ao duelo Apple vs. Samsung.

Já sabe o que quer? Agora, é partir para a pesquisa!

Depois de responder aquela perguntinha que, no final, faz toda a diferença e saber que o mundo dos smartphones não é tão limitado como se imagina, o próximo passo é começar a sua pesquisa, levando em consideração o atributo mais importante que o aparelho deve possuir, o preço e, claro, outras vantagens a serem consideradas.

Marcas como Motorola, LG, Sony, Asus e Xiaomi estão cada vez mais ganhando espaço nas prateleiras das lojas e no coração dos consumidores brasileiros. Isso porque essas marcas estão conseguindo oferecer não só as melhores opções em seus produtos, mas também os melhores preços do segmento.

Vários especialistas concordam, por exemplo, que o Asus Rogue Phone 2 seja a melhor opção para jogos on-line; ou, então, que o Sony Xperia XZ2 ofereça a melhor qualidade de câmera lenta em relação aos modelos da concorrência. Tem quem opte também pela autonomia da bateria do Motorola Moto G7 Power ou, ainda, a resistência do LG G7 ThinQ.

São centenas, quiçá milhares de modelos que essas e outras marcas oferecem todos os anos. Uma há de atender o seu gosto e a sua necessidade em algum sentido. Mas, com certeza, uma delas se sobressai quando o assunto é custo e benefício.

Está procurando o melhor produto pelo menor preço?

Como visto acima, existem milhares de modelos que oferecem pontos fortes em seus produtos. Mais rapidez para navegar, maior robustez do sistema operacional, melhor qualidade fotográfica ou sonora etc. 

Porém, uma coisa é certa: se você prioriza qualidade, eficiência e custo e benefício a sua melhor opção, certamente, é a Xiaomi. Com um ótimo conjunto de vantagens, os modelos da marca também conseguem proporcionar o preço mais justo em relação à concorrência. “Mas qual o melhor celular da Xiaomi?”, você deve estar se perguntando. Calma! Vamos lhe dizer.

Conhecido, inicialmente, como Redmi K20, a Xiaomi lançou o Mi 9T que traz as melhores vantagens da marca. Com um preço que varia entre R$1.400,00 e R$1.700,00, o Mi 9T se destaca por sua eficiência, seu desempenho, sua qualidade das câmeras retráteis, principalmente a frontal, e sua rapidez. Além disso, a bateria desse modelo dura mais quando comparado aos modelos da mesma faixa de preço das marcas concorrentes.

Mas o que torna o Mi 9T especial em comparação aos demais é o Snapdragon 730, o hardware mais robusto da Qualcomm para smartphones intermediários. O hardware é o mesmo que você encontra no Galaxy A80, da Samsung, por exemplo. Isso sem falar dos variados acessórios para celular Xiaomi que você pode utilizar no seu aparelho.

Agora que você já conhece os melhores celulares do mercado é só escolher o que mais se adequa ao seu perfil. E aí, já escolheu o seu?

Cinco dicas importantes para alta performance no trabalho home office

Por Vitor Massari

Embora muitos empreendedores, inovadores e profissionais de tecnologia já estejam acostumados com o home office, para muitas empresas de diversos segmentos esta é uma realidade inédita e as dificuldades encontradas são muitas. Preparei neste artigo cinco dicas simples, mas que trarão ótimos resultados.

Dica 1 – Investimento em boas ferramentas colaborativas

Existem várias ferramentas tanto gratuitas, gratuitas com limitação ou de baixo custo que poderão fazer toda a diferença. Seguem algumas ferramentas indicadas para diversos contextos:

-Conversas instantâneas: WhatsApp, Google Talk, Slack

-Compartilhamento de arquivos: Google Drive, OneDrive

-Gerenciamento do trabalho: Trello, Planner, MS Teams

-Ferramentas visuais colaborativas: Miro, Funretro, Mentimeter

-Vídeo Conferência: Google Meet, Webex, Zoom

Dica 2 – Preparação de equipes remotas

#Infraestrutura: Verifique se está tudo certo! Computador funcionando, acesso à internet, assim como acesso à rede da empresa que você trabalha e se você está em um local tranquilo para trabalhar.

#Rotina: Faça acordos com seus familiares que viabilizem com que todos possam se adequar. Estabeleça horários e se dedique como faz presencialmente para garantir seus resultados.

#Informação: Alinhe com sua equipe os dispositivos, softwares e aplicativos que precisam ser utilizados e mantidos disponíveis/atualizados no dia a dia.

Dica 3 – Sincronizar os trabalhos diariamente com equipes remotas

Realize checkpoints diários de 15 minutos, no início do dia, onde cada membro da equipe comenta sobre o que realizou desde o checkpoint do dia anterior e o que fará até o próximo (não mais) e, se existem impedimentos, quais ações para resolvê-los. O gestor da equipe também deve participar como apoio.

Dica 4 – Melhorar continuamente em ambiente remoto

Em intervalos regulares e curtos, a equipe deve utilizar ferramentas colaborativas para coletar o que vem dando certo no processo de trabalho remoto, o que não está dando tão certo e quais ações devem ser tomadas para ajudar a melhorar o desempenho.

Dica 5 – Cuidados e recomendações para o trabalho remoto não dar errado

Tome cuidado com:

-Distrações do ambiente como TV e outras questões domésticos

-Descansar, parar muito e não ter uma rotina disciplinada de trabalho

-Problemas com infraestrutura e indisponibilidade de espaço físico e silencioso

-Acreditar que trabalho remoto é sinônimo de trabalhar a hora que quiser

-Não atualizar as informações necessárias nas ferramentas virtuais

-Não ter acordos de comunicação e acionar as pessoas em qualquer momento só porque “estão em casa”

-Marcar reuniões remotas o tempo todo apenas para ter a sensação de que “estão todos trabalhando”

Você pode se perguntar: “Na prática, vai manter a produtividade mesmo? ”

Posso falar por experiência própria, pois em 36 horas trabalhando em home office e com todas as dicas do artigo, junto a uma equipe multidisciplinar de mais sete pessoas, viabilizamos nossa inovação chamada Hiflix*, uma plataforma de streaming de conteúdo online, relacionado à gestão 3.0, transformação digital, inovação e com conteúdos gratuitos sobre o tema deste artigo, que visa facilitar equipes home office e aumentar sua performance.

*Hiflix é um conteúdo digital da Hiflex Consultoria, disponível em: www.hiflix.com.br

Vitor Massari assina coluna sobre Transformação Digital, no Inova360, parceiro do portal R7, e tem quadro sobre o tema no programa de TV Inova360, na Record News. É CEO da Hiflex Consultoria e autor dos best-sellers “Gerenciamento Ágil de Projetos e Agile Scrum Master no Gerenciamento Avançado de Projetos” e “Gestão Ágil de Produtos com Agile Think® Business Framework”.

LinkedIn: linkedin.com/in/vitormassari

Instagram: @vitormassari

Especialistas combatem ataques virtuais relacionados a coronavírus

Um grupo internacional de quase 400 especialistas em segurança cibernética se juntou na quarta-feira para combater ataques hackers relacionados ao coronavírus.

Chamado de Covid-19 CTI League, o grupo voluntário abrange mais de 40 países e inclui profissionais em altos cargos em grandes empresas como Microsoft e Amazon.

Um dos quatro coordenadores iniciais do grupo, Marc Rogers, disse que a principal prioridade é trabalhar no combate a ataques hackers contra instalações médicas e outras entidades da linha de frente do combate à pandemia.

Também é fundamental a defesa de redes e serviços de comunicações que se tornaram essenciais à medida que mais pessoas trabalham de casa, disse Rogers, chefe de segurança da conferência de hackers Def Con e vice-presidente da empresa de segurança Okta.

O grupo também está usando sua rede de contatos de provedores de infraestrutura da internet para reprimir ataques de phishing e outros crimes financeiros que estão usando o medo do vírus ou a busca de informações sobre ele para enganar usuários.

“Eu nunca vi esse volume de phishing”, disse Rogers. “Estou literalmente vendo mensagens de phishing em todas as línguas conhecidas pelo humanidade”.

As mensagens de phishing tentam induzir os destinatários a inserir senhas ou outras informações confidenciais em sites controlados pelos hackers, que depois usam os dados para controlar contas bancárias, emails ou outras contas das pessoas.

Rogers disse que as autoridades estão surpreendentemente acolhedoras com o grupo, reconhecendo a dimensão da ameaça.

Rogers é um cidadão do Reino Unido que mora atualmente na área da Baía de São Francisco. Dois outros coordenadores de grupo são norte-americanos e um é israelense.

“Nunca vi esse nível de cooperação”, afirmou Rogers. “Espero que continue depois, porque é uma coisa bonita de se ver.”

Inglesa vai ao mercado em uma bolha para não pegar coronavírus

‘):””},t.getDefinedParams=function(n,e){return e.filter(function(e){return n[e]}).reduce(function(e,t){return l(e,function(e,t,n){t in e?Object.defineProperty(e,t,{value:n,enumerable:!0,configurable:!0,writable:!0}):e[t]=n;return e}({},t,n[t]))},{})},t.isValidMediaTypes=function(e){var t=[“banner”,”native”,”video”];if(!Object.keys(e).every(function(e){return s()(t,e)}))return!1;if(e.video&&e.video.context)return s()([“instream”,”outstream”,”adpod”],e.video.context);return!0},t.getBidderRequest=function(e,t,n){return c()(e,function(e){return 0t[n]?-1:0}};var r=n(3),i=n(91),o=n.n(i),a=n(11),c=n.n(a),u=n(8),s=n.n(u),d=n(10);function f(e){return function(e){if(Array.isArray(e)){for(var t=0,n=new Array(e.length);t

“)}(r.script,r.impression_id);var o=p(m[r.size_id].split(“x”).map(function(e){return Number(e)}),2);n.width=o[0],n.height=o[1]}n.rubiconTargeting=(Array.isArray(r.targeting)?r.targeting:[]).reduce(function(e,r){return e[r.key]=r.values[0],e},{rpfl_elemid:i.adUnitCode}),e.push(n)}else c.logError(“Rubicon bid adapter Error: bidRequest undefined at index position:”.concat(t),s,a);return e},[]).sort(function(e,r){return(r.cpm||0)-(e.cpm||0)})},getUserSyncs:function(e,r,t){if(!j&&e.iframeEnabled){var i=””;return t&&”string”==typeof t.consentString&&(“boolean”==typeof t.gdprApplies?i+=”?gdpr=”.concat(Number(t.gdprApplies),”&gdpr_consent=”).concat(t.consentString):i+=”?gdpr_consent=”.concat(t.consentString)),j=!0,{type:”iframe”,url:o+i}}},transformBidParams:function(e,r){return c.convertTypes({accountId:”number”,siteId:”number”,zoneId:”number”},e)}};function g(e,r){var t=d.config.getConfig(“pageUrl”);return e.params.referrer?t=e.params.referrer:t||(t=r.refererInfo.referer),e.params.secure?t.replace(/^http:/i,”https:”):t}function y(e,r){var t=e.params;if(“video”===r){var i=[];return t.video&&t.video.playerWidth&&t.video.playerHeight?i=[t.video.playerWidth,t.video.playerHeight]:Array.isArray(c.deepAccess(e,”mediaTypes.video.playerSize”))&&1===e.mediaTypes.video.playerSize.length?i=e.mediaTypes.video.playerSize[0]:Array.isArray(e.sizes)&&0






{{= title }}

    {{ if (agency) { }}

  • {{ if (agency_image) { }} {{= agency }} {{ } }} {{ if (agency_url) { }} {{= agency }} {{ } else { }} {{= agency }} {{ } }}
  • {{ } }} {{ if (author && !agency) { }}

  • {{= author }}
  • {{ } }}

{{= content }}

{{ if (type !== ‘video’) { }} {{ } }}



Conheça Caio Jahara, fundador da Real2U, uma “deep tech”

Reginaldo Pereira, apresentador do programa Inova360 da Record News, entrevista Caio Jahara, fundador e CEO da Real2U, sobre empreendedorismo, hábitos e inovação.

Caio Jahara é um jovem empresário movido à desafios e que gosta de fazer história no mercado da inovação.

Sua empresa atua com realidade aumentada (RA) e é considerada uma “deep tech”, ou seja, faz parte do grupo de startups que atuam com tecnologias realmente disruptivas, do tipo descobertas científicas e inovação de ponta, e que querem mudar o mundo.

“A proposta da nossa empresa é fazer algo que nunca foi feito na história da humanidade. Somos uma das poucas deep techs que receberam funding no Brasil. 100% do investimento dentro da Real2U é para a nossa área de pesquisa e desenvolvimento”, afirma o empreendedor.

A Real2U realiza modelagem 3D para e-commerce, games e filmes e foi fundada em 2016. Hoje tem clientes como Alelo, Etna, LG, Multiplan, entre outras grandes marcas.

Reginaldo Pereira: Qual a sua rotina de trabalho Caio?
Caio Jahara: Minha rotina começa às 6h com uma Yoga, em jejum, em casa.

Reginaldo Pereira: Conta para gente qual é o seu projeto atual e o tamanho do seu mercado?
Caio Jahara: Com a Real2U atuamos em um mercado global de 100 bilhões de dólares. Realizamos modelagem 3D para e-commerce, games e filmes. A proposta da nossa empresa é fazer algo que nunca foi feito na história da humanidade, tanto que somos uma das poucas empresas deep techs que receberam funding no Brasil. 100% do investimento dentro da nossa empresa é para a área de pesquisa e desenvolvimento.

Reginaldo Pereira: Como foi a sua trajetória profissional? Houve algum momento de superação e uma lição aprendida durante sua carreira?
Caio Jahara: Quando eu tinha 14 anos, fiz um robô para “tradar FOREX” e convenci meu irmão e os colegas de trabalho dele a investirem mil dólares cada um nesse robô. Juntei US $ 10 mil e comecei a “tradar”, em uma semana fiz US $ 22 mil e perdi tudo em um dia.

Já morei na Indonésia, Singapura e Thailândia, onde fundei um trading em que fazíamos “brokeragem” de importação e exportação de produtos. Fui dono de um nightclub em São Paulo, chamado Provocateur, por quatro anos, e tenho um bar no Itaim chamado Banana Café. Além dessas loucuras, já fundei uma marca de camisetas e um site de compras coletivas.

Reginaldo Pereira: Como você tem inovado e como lida com a transformação digital?
Caio Jahara: Estamos fazendo algo que ninguém no mundo fez, então acreditamos que o Brasil também é um polo de disrupção tecnológica e não somente um copy/paste de negócios que deram certo lá fora.

Reginaldo Pereira: Você tem uma dica de alguma ferramenta, processo, técnica, livro, curso ou algo que fez a diferença em sua vida profissional que gostaria de compartilhar?
Caio Jahara: Ser autodidata mudou a minha vida, nunca me dei bem com o sistema formal de ensino e aprendi a aprender sozinho, com os melhores do mundo pela internet e não somente com os professores da USP ou da escola.

Reginaldo Pereira: Vamos fazer um exercício de futurismo, o que vem por aí?
Caio: Carros autônomos, muito mais cedo do que imaginamos.

Reginaldo Pereira: Você pode citar uma frase que é sua referência pessoal?
Caio Jahara:”What you do is who you are”.

Rede social de Caio Jahara:
Instagram: @caiojahara

Google cria ‘Alerta SOS’ na busca com informações sobre coronavírus

Google cria ‘Alerta SOS’ na busca com informações sobre coronavírus Por Redação Link São Paulo, 25 (AE) – O Google anunciou, na última sexta-feira, 20, a criação de um alerta com informações sobre a covid-19 em sua página de busca. O painel, chamado Alerta SOS, aparece na pesquisa por “coronavírus” e “COVID-19”, e fica no canto direito da tela. O alerta tem um destaque em vermelho que direciona o usuário para links e abas sobre prevenção, sintomas e tratamentos. A empresa afirmou que a recorrência das pesquisas sobre o coronavírus foi um dos indicativos para a criação da ferramenta, que foi desenvolvido com orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS). O painel é semelhante ao que foi ao ar durante a epidemia do zika vírus no Brasil, em 2016, e está disponível para desktop e celular. O Google também informou que uma equipe trabalha 24 horas por dia para atualizar as informações mostradas no Alerta SOS.