Confira 7 dicas para diversificar sua carteira de investimentos

As incertezas causadas pela pandemia do novo coronavírus afetaram a economia e, consequentemente, os investimentos.

Para especialistas, o período vem deixando cada vez mais evidente a importância de se diversificar as aplicações para reduzir riscos e perdas.

Leia mais: Investidores voltam a apostar em fundos no mês de julho

“A pandemia afetou diretamente os ativos [investimentos] de risco, como ações, fundos imobiliários, fundos multi-mercados”, afirma Walter Poladian, planejador financeiro e sócio-fundador do Fliper.

Poladian destaca a importância de se otimizar a carteira para não perder a rentabilidade dos investimentos em períodos de crise.

“Podemos chamar de otimizar a carteira de investimentos, diversificando os ativos para deixa-la mais adequada ao cenário em vigor”, explica Felipe Dexheimer, head de alocação da XP Investimentos.

É importante, segundo Dexheimer, estar atento “para ter certeza, por exemplo, de que as proteções que você escolheu ainda funcionam, já que a situação pode mudar ao longo do tempo”.

Leia mais: Veja 5 sinais de que você mantém um padrão de vida acima da renda

“Quando o investidor diversifica ele se protege do imprevisível e de situações futuras que fogem do seu controle”, diz Matheus Soares, analista da Rico Investimentos.

Ele cita como exemplo o caso da queda da Bolsa em março com o impacto da covid-19.

A pedido do R7 Economize, Poladian, Dexheimer e Soares elencaram algumas dicas para ajudar os investidores a otimizarem a carteira de investimentos.

Poladian alerta para os riscos em investir em ações e fundos imobiliários, que possuem muitos riscos. 

Leia mais: Devo manter meu título na renda fixa mesmo com baixo rendimento?

“Retornos financeiros maiores sempre acarretam em maiores riscos. O importante é ter visão de longo prazo, se planejar e diversificar sua carteira de acordo com o cenário do mercado e seu perfil de investidor”, aconselha o educador financeiro.

Ter uma carteira bem planejada e adequada ao seu orçamento ajuda a reduzir os impactos negativos do cenário econômico.

O risco de concentrar grande parte do patrimônio em um único investimento é maior do que dividir o dinheiro em ativos de diferentes categorias e sem correlação. 

Leia mais: Saiba qual é o melhor investimento para cada situação

“O mais importante é definir quanto alocar em cada classe de ativos e ir balanceando as alocações de acordo com os cenários previstos”, afirma Poladian.

Dexheimer destaca que a cada mês é importante reservar duas horas para fazer uma revisão de base com as expectativas e prognósticos.

Antes de alocar dinheiro em investimentos se deve fazer uma análise sobre qual seu perfil de investidor.

“Se é mais conservador e prefere não correr tantos riscos, mais moderado ou agressivo”, explica Soares.

Leia mais: Quer cortar gastos? Listamos 10 dicas para ajudar a sair do vermelho

“A meta, portanto, é buscar a melhor relação de risco e retorno de acordo com seu perfil e objetivos”, diz Poladian.

Soares também destaca que acompanhar as análises de especialistas e profissionais da área econômica ajudam na hora de otimizar os investimentos.

É essencial que o investidor tenha uma visão clara e transparente de toda a sua carteira de investimentos. 

Leia mais: Vale a pena investir em empresas que vão estrear na Bolsa?

Quando investimentos estão em diferentes contas e instituições, o investidor não consegue saber ao certo qual percentual do seu patrimônio está alocado em cada ativo e classe de ativo.

“Com um aplicativo que consolida toda sua carteira de forma automática em um único lugar, você consegue otimizar seu tempo e fazer a gestão da sua carteira de forma mais eficiente”, orienta Poladian.

Por fim, essa dica é importante tanto para quem já é investidor quanto para quem ainda está começando. Mantenha sempre uma reserva de emergência.

“É importante alocar, pelo menos, seis vezes o valor de seus gastos mensais em ativos de baixíssimo risco e com possibilidade de resgate rápido”, aconselha Poladian.

Leia mais: Pais investem em previdência, ações e fundos de olho no futuro dos filhos

Ele cita como exemplo os fundos DI RF Simples com taxa zero, que investem apenas em Tesouro Selic.

Essa reserva ajuda a cobrir despesas de curto prazo e aproveitar oportunidades de investimentos que apareçam no meio do caminho. 

Leia mais: Conheça 8 hábitos minimalistas que podem ajudar na sua vida financeira

“Este colchão de liquidez permitirá ao investidor tomar riscos com outra parte dos seus recursos, visando mais o longo prazo”, finaliza o educador financeiro.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Márcia Rodrigues

Queixas contra crédito consignado crescem 60% durante pandemia

As reclamações sobre crédito consignado aumentaram 60% durante a pandemia de coronavírus. Ao mesmo tempo, concessões de empréstimos consignados a beneficiários do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), que tem juro mais baixo do mercado e desconto direto da folha de pagamento, registrou crescimento de 25%. 

Segundo o Procon de São Paulo, de janeiro a junho deste ano, foram registradas 1.760 reclamações, enquanto que no mesmo período do ano passado o número era de 1.190. Já o valor total de novas operações contratadas por aposentados e pensionistas passou de R$ 37 bilhões, em 2019, para R$ 46,1 bilhões, neste ano, de acordo com o boletim mensal de Estatísticas Monetárias e de Crédito do Banco Central.

O crédito consignado é concedido a quem tem o salário ou a aposentadoria creditada em conta corrente. Por ser descontado diretamente na folha de pagamento ou aposentadoria do cliente, é uma opção de empréstimo fácil e tem uma das menores taxas do mercado.

Para os aposentados, a taxa varia entre 1,51% (Caixa) e 1,73% (Itaú) ao mês. Para o funcionário público, entre 1,28% (Caixa) e 1,65% (Itaú), e para o empregado do setor privado, de 1,45% (Caixa) a 2,40% (Itaú) ao mês.

O INSS explica que o segurado pode ter até nove contratos, desde que a soma das dívidas não ultrapasse a margem de 30% de sua renda. Segundo o órgão, o número de contratos de empréstimos consignados ativos para aposentados e pensionistas chegou a 34,4 milhões em junho.

No mesmo período do ano passado eram 32,4 milhões de contratos. O aumento de 5,5% coincide com as medidas promovidas pelo governo para diminuir os impactos do coronavírus na economia. 

Uma delas foi o aumento no prazo de pagamento dos empréstimos para os segurados, que passou de 72 meses para 84 meses. A outra foi a diminuição da taxa de juros, de 2,08% para 1,80%. Além disso, o desbloqueio passou para 30 dias após a concessão do benefício, antes era de 90 dias. 

Para Fernando Capez, secretário especial de Defesa do Consumidor do Estado de São Paulo e diretor executivo do Procon-SP, essa flexibilização foi necessária em razão dos efeitos econômicos decorrentes da pandemia. Mas cabe agora ao INSS e aos órgãos de proteção, principalmente o Procon, ficarem muito atentos porque, ao mesmo tempo que surgem as facilidades, surgem também os riscos de golpes e de pessoas serem prejudicadas.

“Com a maior facilidade de crédito consignado pelas flexibilizações de regras que o governo permitiu, existe por um lado um benefício para quem precisa, mas também maior possibilidade de golpes, de publicidade agressiva e abusiva, induzindo o consumidor a contrair empréstimo que não precisa, ou não explicando direito quais são as condições. Isso tende de aumentar muito as reclamações e o Procon está atento com relação a isso”, afirma Capez.

Muitas das reclamações que chegam ao Procon é de segurados que não sabem o que assinaram.  O Procon pode intervir para anular o contrato. Por isso, é importante registrar a reclamação no site do Procon ou no INSS. Com isso, a cobrança do empréstimo poderá ficar suspensa até que se esclareçam os problemas apontados pela denúncia.

Ele explica que houve uma sensível perda do poder aquisitivo, em razão da pandemia. E esse público mais vulnerável de idosos, pensionistas e aposentados é o primeiro a sentir a necessidade de contrair os empréstimos. Os juros são mais convidativos, taxa nominal de 1,8% ao mês. Isso atrai  e leva ao aumento do número de contratos e de reclamações. 

Outra causa para a explosão de reclamações é a fragilidade desse público ao marketing com atuação agressiva dos captadores de empréstimos.

“Tem pessoas que convencem a assinar contrato de empréstimo. Depois, faz o segurado assinar outro contrato com outro banco para ganhar novamente a comissão. Surge então o superendividamento. O Procon está bastante atento a essas práticas e pronto para multar os bancos e instituições financeiras responsáveis por esses empréstimos contraídos”, alerta o secretário de Defesa do Consumidor.

Golpe

O Procon orienta também a desconfiar de todo contato feito convidando para contrair empréstimo consignado é golpe. A pessoa deve entrar procurar o banco por meio do site e, antes de contrair qualquer empréstimo, entrar em contato com o Procon.

O alerta é para que as pessoas tomem cuidado, jamais aceitem fazer contrato de empréstimo consignado por meio de uma ligação ou contato que recebeu. A pessoa que deve tomar a iniciativa e entrar em contato com a instituição financeira. Nunca fechar contrato, passar dados pessoais ou documentos quando recebe uma publicidade por e-mail ou ligação telefônica.

Onde reclamar

Procon – O atendimento telefônico está disponível para orientação de consumo de segunda a sexta-feira, exceto feriados, das 8 às 17h, através do número 151. Ou pelo site procon.sp.gov.br/espaco-consumidor.

Ouvidoria do INSS – Central de Atendimento 135. O atendimento é realizado de segunda a sábado, das 7h às 22h. Ou pelo site inss.gov.br/ouvidoria.

INSS amplia ‘drive-thru’ para entrega de documento em todo país 

Os segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) têm uma nova alternativa para entregar a documentação que falta para concluir a análise de seus requerimentos. Como as agências continuam fechadas por causa da pandemia de coronavírus, o instituto decidiu estender para todo o país o serviço Exigência Expressa, o “drive-thur” para entrega de documentos.

Leia também: INSS começa neste mês projeto piloto de prova de vida digital

A entrega de documentos por esse meio alternativo será viabilizada pela colocação de urnas na entrada das agências. O interessado depositará, na unidade mais próxima de sua residência, cópias simples dos documentos solicitados pelo INSS. 

A medida foi adotada porque desde março não está sendo possível fazer atendimento presencial – apenas remoto, conforme o decreto de situação de emergência provocada pela pandemia do novo coronavírus. Diante disso, o INSS identificou a necessidade de buscar alternativa para o cidadão cujos processos não avançam porque ele precisa cumprir a exigência para que a análise possa ser concluída.

Projeto-piloto 

A Exigência Expressa já vinha sendo adotada como piloto em São Paulo, desde o início de julho, para agilizar a conclusão dos processos que dependem da apresentação de algum documento. Começou a ser adotada em outros estados e já se encontra disponível em 803 municípios, sendo 215 em São Paulo, 158 na região Sul e 430 no Nordeste.

Nas regiões Sul e Nordeste, o serviço já é disponibilizado aos segurados de 588 cidades, incluindo 11 capitais: Aracajú (SE), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Natal (RN), Recife (PE), Salvador (BA), São Luís (MA) e Teresina (PI).

Apelidado de “drive-thru” do INSS, o serviço se espalhou pelo interior e chegou também a outros importantes centros urbanos das duas regiões, como Campina Grande (PB), Caruaru (PE), Cascavel (PR), Caucaia (CE), Caxias do Sul (RS), Joinville (SC), Londrina (PR), Maringá (PR), Mossoró (RN), Pelotas (RS), Petrolina (PE), Ponta Grossa (PR) e Vitória da Conquista (BA).

Como funciona

Para assegurar a entrega dos documentos é preciso realizar agendamento pelo telefone 135 ou no Meu INSS, tendo em mãos o número do protocolo do benefício em análise, nome e CPF da pessoa que efetivamente depositará o envelope na urna.

Ao agendar o serviço de Exigência Expressa, o usuário será orientado a observar os seguintes procedimentos para a entrega dos documentos: preencher o formulário de “Autodeclaração de Autenticidade e Veracidade das Informações”; e incluir os documentos solicitados pelo INSS e o formulário de “Autodeclaração de autenticidade e Veracidade das Informações” em envelope, que deverá ser lacrado e identificado pelo lado de fora com os seguintes dados: nome completo, CPF, endereço completo,; telefone (mesmo que para recado), e-mail (se tiver) e número do protocolo do agendamento.

Após esses procedimentos, o cidadão deve depositar o envelope em urnas posicionadas nas portas das agências, pelo lado de fora. Não importando a localidade, a caixa coletora fica disponível de segunda a sexta-feira, das 7h às 13h. Sua utilização não se aplica aos pedidos de antecipação do auxílio-doença. Nesse caso, os documentos só podem ser anexados pelo Meu INSS.

Para proteger a saúde das pessoas, o cumprimento de exigência pela urna ocorre sem qualquer contato físico e sem acesso ao interior das agências. O segurado também não recebe protocolo ou recibo de entrega dos documentos, mas pode informar o uso do serviço pela Central 135, para fins de registro. Não são aceitos documentos originais e as cópias não precisam ser autenticadas em cartório. É imprescindível, porém, que estejam legíveis e sem rasuras. A autenticação só é obrigatória quando se exige do segurado que apresente procuração para fins de recebimento de benefício.

Além da documentação solicitada, é preciso colocar no envelope o Formulário de Cumprimento de Exigência Expressa. Para isso, o segurado retira o Formulário ao lado da caixa coletora e preenche todas as lacunas (nome completo, endereço com CEP, e-mail, data de entrega do envelope e relação de documentos). Ao final, basta assinar no campo da autodeclaração de autenticidade e veracidade das informações apresentadas. Não é necessário escrever qualquer informação do lado de fora do envelope.

Exigências

As exigências são emitidas quando a pessoa solicita um benefício ou serviço, mas, durante a análise, é verificada a necessidade de apresentação de documentação adicional para a conclusão do processo. Para saber quais documentos devem ser apresentados, o interessado deve discar 135, acessar o Meu INSS ou ligar para um dos telefones de plantão das agências.

Os papéis depositados na urna são escaneados e inseridos em sistema, para que os servidores do INSS possam dar continuidade ao processo. Para a conclusão da análise, é fundamental que sejam anexadas as cópias de todos os documentos solicitados. O andamento do processo pode ser acompanhado pelo Meu INSS ou telefone 135.

Itaúsa tem lucro líquido de R$ 598 milhões no 2º trimestre, queda de 75,4%

A holding Itaúsa, que tem participações no capital de Itaú Unibanco, Alpargatas Duratex, registrou lucro líquido contábil de 598 milhões no segundo trimestre de 2020, uma queda de 75,4% em relação aos 2,435 bilhões no mesmo período de 2019. No critério recorrente, o grupo teve ganhos de R$ 1,428 bilhão entre abril e junho, recuo de 40,7%.

Segundo explica a Itaúsa no relatório da administração que acompanha os números, a queda no resultado recorrente foi causada principalmente pela piora nos números do Itaú Unibanco, mas as outras empresas investidas também tiveram dificuldades por conta da pandemia de covid-19. No caso do resultado contábil, houve eventos não recorrentes com impacto negativo de R$ 781 milhões, com impaiment de ágio e ativos do Itaú Corpbanca, de R$ 543 milhões, e doações para o programa Todos pela Saúde, que no caso do Itaú, somaram R$ 312 milhões.

Os ativos totais da Itaúsa fecharam junho em R$ 56,548 bilhões, praticamente estável na comparação anual, com pequeno avanço de 0,2%. A rentabilidade, medida pelo retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado, fechou o primeiro semestre em 6%, ante 18,7% em 2019. Já o retorno recorrente ficou em 9,4%, contra 17,8% de um ano antes.

A holding informou somente as receitas do primeiro semestre de cada uma das empresas investidas. Somadas, elas geraram R$ 87,8 bilhões em receitas, queda de 10,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

Renault abre novo PDV e reintegra demitidos

A Renault e o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba chegaram a uma “solução conjunta”, conforme definem as duas partes, para encerrar a greve que completou 20 dias nesta segunda-feira, 10. A empresa abrirá outro Programa de Demissão Voluntária (PDV) com incentivo melhor do que o proposto anteriormente. Os 747 demitidos há 20 dias serão reintegrados, mas a intenção da empresa é que parte deles aceite o novo PDV.

A Renault mantém a meta de desligar 747 do total de 7,3 mil trabalhadores da área de produção do complexo de São José dos Pinhais para adequar o efetivo à atual demanda do mercado. Em razão da crise econômica provocada pela pandemia do coronavírus, a montadora deve produzir este ano 186 mil veículos, ante uma previsão no início do ano de 353 mil unidades.

Para cada funcionário fora do grupo de demitidos que aderir ao PDV, um do grupo que deseja continuar na empresa voltará ao trabalho. Os que não forem convocados entrarão em lay-off (suspensão de contratos) por cinco meses. Se quando esse período se encerrar a empresa ainda não tiver colocação para o grupo, voltará a negociar alternativas com o sindicato. Depois desse processo a Renault abrirá um novo PDV para funcionários da área administrativa.

A proposta foi resultado de negociações entre empresa e sindicato ocorridas desde quinta-feira, dia em que a Justiça do Trabalho de Curitiba (PR), concedeu liminar em ação impetrada pelo sindicato de reintegração dos demitidos. Ela foi apresentada na tarde desta segunda em assembleia de trabalhadores e eles terão até hoje para votar, de forma online, se aceitam ou não.

“Com aprovação da proposta teremos garantia de pilares de competitividade que precisamos para o futuro da Renault do Brasil”, afirma a montadora em comunicado distribuído aos funcionários. Com base no acerto, a empresa poderá negociar a produção de novos modelos no complexo com a matriz da França.

Para o presidente do sindicato, Sérgio Butka, a proposta possibilita a manutenção de empregos daqui para frente e atende as demandas da empresa. “O que importa é o trabalhador ter mais tranquilidade para desenvolver sua função e produzir melhor.”

Sem reajustes

O novo plano de demissão voluntária receberá adesões até o dia 20 e prevê o pagamento de seis salários extras, independente do tempo de casa do funcionário. Também a extensão do plano de saúde para toda a família até junho de 2021 e do vale mercado até dezembro próximo. Quem aderir também receberá a primeira parcela do Programa de Participação nos Lucros (PPR) e um abono previsto para 2021.

A negociação também incluiu a data-base dos metalúrgicos para os próximos quatro anos. Fica definido a suspensão de reajustes salariais neste ano e no próximo – será pago um abono de R$ 2,5 mil no período e reposição pelo INPC em 2022. O PPR deste ano deve ficar em R$ 13,9 mil, caso a produção se confirme em 186 mil veículos. Se nos três anos seguintes os volumes a serem definidos serão pagos, respectivamente, R$ 27 mil, R$ 27,5 mil e R$ 28 mil. Novas contratações terão salários 20% inferiores aos atuais.

Caso a proposta seja aprovada, os funcionários retornam ao trabalho na quarta-feira. Os dias parados serão descontados gradualmente, um dia por mês. A greve foi decretada no mesmo dia em que a Renault anunciou as demissões após várias reuniões com o sindicato em que não houve acordo para o PDV apresentado na ocasião (que oferecia salários extras de acordo com o tempo de casa).

Hackers invadem canais de destaque do YouTube para prover golpes com Bitcoin

Os golpes com lives falsas não são novidades no YouTube e elas até mesmo são capazes de gerar grande prejuízo para as vitimas. Mesmo com o problema sendo amplamente divulgado, o YouTube parece cada vez menos capaz de lidar com a situação, com outros grandes canais sendo dominados por diferentes golpistas.

Só na semana passada, os hackers (que podem pertencer a um mesmo grupo), conseguiram sequestrar 8 grandes canais do YouTube. Entre eles, está o PapaFearRaiser, com cerca de 1,8 milhão de inscritos e o popular canal de notícias sobre tecnologia, FrontPageTech, como mostrou o site Vice.

Enquanto o PapaFearRaiser já conseguiu recuperar o seu canal, FrontPageTech foi obrigado a deletar o canal antigo e usar um secundário (com apenas uma fração de seus inscritos).

Em um vídeo explicando toda a situação com o seu canal, o criador do FrontPageTech afirmou que o YouTube não só não conseguiu evitar os golpistas de acessar a conta (que estava protegida com autenticação de 2 fatores), mas também não impediu a live falsa, mesmo após ter sido alertado sobre o problema.

Os hackers conseguiram acesso a todas as contas ligadas ao e-mail comprometido, até mesmo a conta do Google Ads. Dessa forma, o criador de conteúdo tem eliminado todas as formas de monetização.

Enquanto isso, os hackers conseguiram alcançar um público de mais de 15 mil pessoas e arrecadar mais de US$ 10 mil em Bitcoin.

Elon Musk se tornou o principal nome utilizado por hackers do YouTube

Os hackers que invadiram os canais durante a semana passada utilizaram o nome de Elon Musk. Esse último, que é o famoso CEO da Tesla e SpaceX, vem sendo a principal figura nos golpes das lives falsas.

Em um print retirado de um dos canais sequestrados, é possível notar que o endereço para enviar os Bitcoins é de fato similar aos que estão sendo utilizados desde abril deste ano.

Canais hackeados exibiram a live falsa que prometia Bitcoins em dobroCanais hackeados exibiram a live falsa que prometia Bitcoins em dobro/Reprodução

Isso sugere um grupo super organizado e que realiza ataques constantes no decorrer dos meses.

Atualmente, o YouTube até consegue recuperar alguns canais ou evitar alguns golpes. Os hackers, entretanto, estão sempre um passo à frente, sempre atacando diferentes canais para conseguir lucros altos.

Esse já é um problema antigo e que tem causado bastante dor de cabeça para a plataforma e para outros membros do criptomercado. Importantes nomes do setor já processaram o YouTube pela incapacidade de identificar e impedir esses golpes de forma adequada.

Já para os criadores de conteúdo de médio e grande porte, a ideia parece ser contar com a sorte e tomar muito cuidado.

Governo firma acordo de combate ao crime organizado no Mercosul

O Ministério das Relações Exteriores assinou um decreto de cooperação entre os países que fazem parte do Mercosul (Mercado Comum do Sul) para aprimorar o combate ao crime organizado transnacional e delitos conexos. O texto será publicado no Diário Oficial desta terça-feira (11).

A medida, que envolve Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, cria equipes conjuntas para a investigação de condutas delituosas que exijam a atuação coordenada das autoridades competentes da mais de um dos países. 

Leia mais: Brasil oficializa acordo de comércio automotivo com Paraguai

De acordo com o ministério, o objetivo primordial do decreto “é reforçar a cooperação em matéria penal, viabilizando uma efetiva investigação de delitos”. Entre os crimes envolvidos, aparecem tráfico de drogas, corrupção, lavagem de dinheiro, tráfico de pessoas e de armas e todos aqueles que integram o chamado crime organizado transnacional.

Também entram na lista de cooperação os atos de terrorismo ou delitos cujas características tornem necessária a atuação e o combate coordenados entre os países. 

Com a medida, as autoridades competentes de um país que estiverem a cargo de uma investigação penal poderão solicitar a criação de uma ECI (Equipe Conjunta de Investigação) de outra nação, quando essa investigação tiver por objeto condutas delituosas que, por suas características, exijam atuação coordenada entre os membros e países associados ao Mercosul.

Guararapes reverte lucro e tem prejuízo de R$ 296,2 milhões no 2º trimestre

A Guararapes, dona da rede Riachuelo, registrou um prejuízo líquido de R$ 296,2 milhões no segundo trimestre de 2020. No mesmo período de 2019, o grupo havia reportado lucro de R$ 54,9 milhões. Já o Ebitdafoi negativo em R$ 289,2 milhões, ante R$ 234,7 positivos no mesmo trimestre do ano anterior.

A Receita Líquida da companhia caiu 52,4%, chegando R$ 225,9 milhões, enquanto as vendas mesmas lojas decresceram 69,7%. A empresa ressalta que as lojas reabertas no trimestre apresentaram 74,8% do total registrado no mesmo período de 2019. Segundo a Guararapes, elas foram “impactadas pela redução do horário de funcionamento e pela implementação de limites máximos de pessoas nas lojas aderentes aos protocolos de segurança estabelecidos”.

No trimestre, os canais digitais representaram 46,1% das vendas, em decorrência do isolamento social. Mas a margem bruta da companhia foi de 38,2%, ante 50,3% no segundo trimestre de 2019.

Segundo a companhia, no primeiro semestre, esse indicador foi afetado pelo fechamento de fábricas, que reduziu incentivos de ICMS, e pelo custo de produção de equipamentos de segurança (EPIs) para doação. Além disso, os estoques acumulados pelo período de lojas fechadas levou a maior apetite promocional. E a própria venda online, segundo o grupo, tem um mix de produtos com margem menor.

Defesa de Queiroz vai ao STF para evitar nova prisão do ex-assessor

A defesa de Fabrício Queiroz, ex-assessor parlamentar do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), entrou nesta segunda-feira (10) com um pedido de habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal) para evitar que ele volte para a prisão.

Queiroz e sua mulher, Márcia Aguiar, são suspeitos de envolvimento no caso do suposto esquema de “rachadinha” no gabinete de Flávio Bolsonaro quando o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro era deputado estadual na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

O ex-assessor foi preso em junho, mas posteriormente foi beneficiado por habeas corpus concedido pelo presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), João Otávio de Noronha, durante o recesso do Judiciário. A mulher dele, mesmo foragida à época, foi beneficiada pela decisão de Noronha.

Após a decisão do presidente do STJ, Queiroz e a mulher estão em prisão domiciliar e monitorados por tornozeleira eletrônica desde o mês passado.

No recurso ao STF que corre sob sigilo e foi distribuído ao ministro Gilmar Mendes, segundo fontes, a defesa de Queiroz pede o fim a qualquer tipo de restrição a Queiroz. Quer também um habeas corpus preventivo para evitar que o relator do caso no STJ, ministro Félix Fischer, casse a decisão dada por Noronha durante o recesso.

Fischer estava afastado do STJ após licença de saúde e deve retornar às atividades nesta semana. Se ele revogar a decisão dada por Noronha, Fabrício Queiroz poderia voltar para prisão.

São Martinho tem lucro líquido de R$115,7 mi no 1º tri de 2020/21, alta de 26,5%

SÃO PAULO (Reuters) – A fabricante de açúcar e etanol São Martinho registrou lucro líquido de 115,7 milhões de reais no primeiro trimestre da safra 2020/21, avanço de 26,5% ante igual período do ano anterior, em momento em que as usinas brasileiras têm direcionado o foco para a fabricação do adoçante.

De acordo com comunicado da empresa, os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somaram 491 milhões de reais no período, apurando ganho de 41,1% na comparação anual.

A São Martinho afirmou que o indicador reflete o melhor preço de comercialização, que registrou alta de 16,9% no trimestre, e o maior volume de vendas de açúcar no período (avanço de 92,4%).

“Em linha com o guidance de produção para a safra, anunciado em junho, a companhia vem direcionando o mix de produção para o açúcar, dada a melhor rentabilidade do produto em relação ao etanol”, disse a São Martinho, que processou 10 milhões de toneladas de cana no período.

Ainda assim, o mix de produção favoreceu o etanol, com 53% –embora em nível menor que os 59% vistos em igual período do ano passado.

A empresa, cuja produção de açúcar totalizou 596 mil toneladas (+36,7%), disse que a queda nos preços internacionais do adoçante foi compensada pela valorização do dólar frente ao real, que manteve os valores “superiores ao período pré-pandemia, com um prêmio significativo”.

Aproveitando-se do cenário, em 30 de junho a companhia havia fixado preços de 801 mil toneladas de açúcar da safra 2020/21, o equivalente a 95% da cana própria. Para a safra seguinte, o “hedge” somava 320 mil toneladas.

Para o etanol, a São Martinho disse acreditar em um cenário “construtivo” ao longo da safra atual, depois da queda significativa da demanda por combustíveis em função do isolamento social causado pela pandemia de coronavírus.

Com a reabertura em andamento, a empresa vê uma retomada gradativa na demanda pelo produto. A fabricação de etanol pela companhia no primeiro trimestre da safra 2020/21 totalizou 406 milhões de litros (+6,3%).

A São Martinho reportou ainda um crescimento de 78,9% no fluxo de caixa operacional em relação ao primeiro trimestre de 2019/20, a 299 milhões de reais.

(Por Gabriel Araujo)